Pular para o conteúdo principal

AS DEZ ENCARNAÇÕES OU OS DEZ AVATARAS DE VISHNU



AS DEZ ENCARNAÇÕES OU OS DEZ AVATARAS DE VISHNU



Afirma-se que Vishnu encarnou-se várias vezes para restabelecer a ordem moral (dharma) na Terra. Suas dez encarnações (avatâra, “descida”) são as seguintes:



1. Matsya (“Peixe”) encarnou-se com o propósito específico de salvar Manu Satyavrata, progenitor da raça humana, durante o dilúvio que inaugurou o presente ciclo da humanidade.

2. Kûrma (“Tartaruga”) tomou forma a partir da infinitude de Vishnu para recuperar vários tesouros perdidos durante o dilúvio, especialmente o elixir da vida. Tanto as divindades (deva ou sura) quanto as contradivindades (asura) colaboraram para bater o oceano como se bate o leite para tirar manteiga, usando a serpente cósmica (Ananta) como corda e Mandara, a montanha cósmica, como vara de bater. Kûrma serviu como pivô para a vara. Com isso, todos os tesouros perdidos foram recuperados, restabelecendo-se assim a ordem e o equilíbrio universais.

3. Varâha (“Javali”) nasceu com a missão de destruir o demônio Hiranyâksha (“Olhos de Ouro”), que havia inundado a Terra inteira.

4. Nara-Simha (“Homem-Leão”) se manifestou a fim de destruir o maligno imperador Hiranyakashipu (“Vestimenta de Ouro”), que havia tentado, sem conseguir, matar o seu filho Prahlâda, grande devoto de Vishnu. Em virtude de uma dádiva que lhe tinha sido concedida pelo próprio deus Brahma, Hiranyakashipu não poderia ser morto nem de dia nem à noite, nem por um homem, um animal ou uma divindade, nem lado de fora nem do lado de dentro das muralhas do seu palácio. Por isso, Nara-Simha surgiu no crepúsculo, sob a forma de um ser humano com cabeça de leão, e dentro de um pilar. Com suas garras dilacerou o corpo do rei e o destruiu.

5. Vamâna (“Anão”) encarnou-se especificamente para vencer o demoníaco Bali, que havia usurpado o lugar das divindades e obtido o domínio sobre o universo. Vamâna pediu a Bali que lhe desse o quanto de terra lhe fosse possível transpor com três passos. Achando graça no pedido, o demônio imperador o atendeu. Vamâna deu dois passos e transpôs com eles toda a criação; com o terceiro passo, plantou o pé sobre a cabeça de Bali, empurrando-o para os mundos infernais. Como Bali tinha algumas virtudes, Vamâna concedeu-lhe o império sobre o mundo inferior. Os três passos de Vishnu são mencionados já no Rig-Veda (p.ex., 1.23.17-18,20).

6. Parashu-Râma (‘Râma com o Machado”) foi uma encarnação guerreira. Destruiu vinte e uma vezes a casta guerreira, o que é indício de um forte conflito entre os kshatriyas e os brâmanes numa época recuada.

7. Râma (“O Escuro” ou “O Agradável”), também chamado Râmacandra, foi o soberano justo e sábio de Ayodhyâ e um contemporâneo mais jovem de Parashu-Râma. A história de sua vida nos é relatada pela epopéia Râmâyana. Sua esposa Sîtâ (“Sulco [de arado]“), freqüentemente identificada à deusa Lakshmî (“Bom Sinal”), simboliza o princípio da fidelidade conjugal, do amor e da devoção. Foi raptada pelo rei-demônio Râvana, cujo reino talvez se localizasse no atual Sri Lanka (Ceilão), e resgatada pelo semideus Hanumat, de cabeça de macaco, que representa o princípio do serviço fiel.

8. Krishna (“O que Puxa”) é o Deus-homem, cujos ensinamentos estão registrados no Bhagavad-Gîtâ e em muitas outras partes da epopéia Mahâbhârata. A morte de Krishna deu início ao kali-yuga, a era de trevas na qual ainda estamos e cuja duração total é calculada em alguns milhares de anos.

9. Buddha (“O Desperto”) nasceu para desorientar os malfeitores e os demônios. Algumas autoridades não crêem que esse avatâra tenha sido Gautama, o Buda, mas é praticamente impossível duvidar de que era a ele que se referiam os brâmanes que formularam a doutrina das dez encarnações.

10. Kalki (“O Vil”, “O Humilde”) é o avatâra que ainda não veio. Vários Purânas o representam montado num cavalo branco e empunhando uma espada de fogo. Sua tarefa será a de destruir este mundo (yuga) e fundar a nova Era de Ouro, ou Era da Verdade (satya-yuga).




Fonte: A Tradição do Yoga, de Georg Feuerstein – Editora Pensamento

Postagens mais visitadas deste blog

MUDRAS E SUA IMPORTÂNCIA NO FLUXO DE ENERGIAS E EQUILÍBRIO DA MENTE - PEDRO KUPFER

MudrasMudras são Selos, são gestos realizados com a mente, as  mãos, os pés, a boca, os olhos ou com o corpo todo.
Os Mudras são ligados ao fluxo das energias, tanto na mente como no campo energético, e fazem correspondência com o corpo físico,  especialmente por meio do sistema endócrino e do sistema nervoso simpático e parassimpático. Eles produzem efeitos fisiológicos e psíquicos benéficos, proporcionando a saúde psicossomática, o  equilíbrio dinâmico e a harmonia interna. A palavra sânscrita Mudra deriva de duas raízes, mud e ra, tendo diversos significados. Pode ser traduzida por deleite, alegria ou prazer, pois  ao conectar as correntes de energia solar e lunar nos canais e centros energéticos ou psíquicos do praticante, esse experimenta a  consciência do prazer. Mudra dá uma sensação de bem-estar e felicidade. Outro significado para Mudra é magia ou encanto, pois, como num passe de mágica ou num encantamento, um determinado gesto corporal conduz o indivíduo a um respectivo estado de …

QUAL O NOME DAQUELA JÓIA NA TESTA DA MULHER INDIANA ?

Qual o nome daquela jóia na testa?
A razão do título é porque muita gente me pergunta sobre essa linda jóia, e mesmo eu há pouco tempo não sabia ao certo o nome, então quando eu queria comprar, perguntava na loja "...sabe aquela jóia que as indianas usam na testa, pendurada assim e assim.." e como vi que muita gente também me pergunta dessa forma resolvi me aprofundar mais no assunto e estudar melhor sobre o tema, até porque eu gosto de conversar sobre roupas e ornamentos indianos e dividir informações.

Essa jóia é chamadaTikkaou Maang Tikka e não se confunde com o bindi, que é um pontinho no centro da testa (falei sobre o bindiaqui).

Essa jóia é usada por mulheres em grandes festas, principalmente casamento tanto pela noiva quanto pelas convidadas.

Possivelmente não há maior beleza do que uma noiva enfeitada no dia de seu casamento, e os lindos enfeites de casamento indianos e jóias destacam o rosto, principalmente um enfeite como o maang tikka.

TÉCNICAS RESPIRATÓRIAS DO YOGA TEM EFEITOS SIMILARES A MEDICAMENTOS PSIQUIÁTRICOS

TÉCNICAS RESPIRATÓRIAS DO YOGA TEM EFEITOS SIMILARES A MEDICAMENTOS PSIQUIÁTRICOS28 de novembro de 2016·por 
Inspire profundamente, expandindo a barriga. Faça uma breve pausa e em seguida solte o ar bem devagar. Repita esse procedimento 5 vezes. Parabéns. Você acabou de acalmar o seu sistema nervoso. Está cada vez mais provado que a respiração controlada, como essa que você praticou agora, reduz o estresse, aumenta o estado de alerta e melhora o sistema imunológico. Por séculos, os yogis vêm usando técnicas de controle da respiração, ou pranayamas, para promover a concentração e melhorar a vitalidade. Estudos descobriram, por exemplo, que as práticas de respiração podem ajudar a reduzir os sintomas associados com a ansiedade, a insônia, o transtorno de estresse pós-traumático, a depressão e o déficit de atenção.   A maneira como a respiração controlada promove a cura ainda é motivo de estudo científico. Uma teoria é que ela pode mudar a resposta do sistema nervoso autônomo d…